quarta-feira, 16 de abril de 2008

A ceifeira

É quase sempre difícil distinguir o autor da obra. Não se lê desconhecendo completamente a biografia do autor e é quase inevitável que a leitura do texto seja condicionada pelo conhecimento que temos da sua vida.

A biografia não passa de uma sequência de datas e acontecimentos. Separo as duas noções porque raramente coincidem. O autor nasce, vive (e casa-se ou não, morre-lhe alguém ou não, completa a universidade ou não); e morre. Mas se falamos de acontecimentos, falamos de outra coisa. Da obra. Por alguém morrer, o autor mergulha na depressão e muda completamente o seu estilo. Cresceu na sombra de uma mãe protectora: escreverá de determinado modo. A História sofre convulsões que lhe dificultam a vida: o autor contraria a História e cria contra ela.

Falando de biografia: os autores que morrem novos são sempre lamentados a dobrar. Porque a empatia gerada com o leitor simula uma familiariedade postiça, o leitor chora o autor que morre como se fosse um dos seus. Porque o autor desaparece demasiado cedo, cisma-se na obra que ficou por criar, sonha-se com uma arca cheia de inéditos que possam alimentar a fome que se segue ao desaparecimento, inventariam-se conjecturas sobre o rumo que a obra por criar poderia ter tomado.

O leitor precisa destas consolações na sua relação com os autores de quem gosta. Não aprecia o rigor do académico, capaz de analisar friamente a obra desligada da vida. A biografia não é apenas um conjunto de circunstâncias sem relação com os livros. Acabe-se com as datas; obtém-se o chão onde a obra germina, o intervalo no tempo delimitando a marca do escritor na terra.

Não carecemos de adivinhações sobre obras inacabadas. Mas não podemos recusar o apelo da intimidade forçada. Ao ler um livro, convidamos para junto de nós quem o escreve. Esperando que o arrependimento não surja. Mais do que podemos desejar na relação com os outros. Vantagens de uma existência de papel.

(Texto publicado originalmente no Auto-retrato)

1 comentário:

João disse...

Olá em primeiro devo dizer que sou um novo rosto neste blog, visto que ainda não o conhecia até recentemente, e dou desde já os parabéns aos autores por um trabalho fantástico que o blog revela em todos os lugares.

Quanto ao post, bem é verdade que tudo que é dito é verdadeiro (pura realidade) a também de fazer notar que as obras de alguns autores só são devidamente apreciadas depois da morte destes, como é o caso de Poe, cujo trabalho só foi levado a sério depois da sua morte, ainda novo.

Já agora passo a dizer que também tenho um blog "O Farol Branco" e que já adicionei este aos links do Farol (como não podia está fantástico o blog), quando quiserem podem dar um salto lá (aviso já que estou envolvido à muito pouco tempo neste "negocio de Bloguers")!

Abraço

Subscrever