segunda-feira, 19 de janeiro de 2004

O Sangue de Cristo e o Santo Graal


Michael Baigent, Richard Leigh & Henry Lincoln

Livros do Brasil



As opiniões acerca deste livro foram de tal forma diversas que, em certa altura, pareciam estar a referir-se a várias obras diferentes. Se por um lado, houve quem o considerasse como “a maior obra do século XX”, outros entendiam que poderia bem ser a pior... E porquê? Sem dúvida, pela controvérsia que envolve o tema central do livro.

Como os próprios autores disseram, a páginas tantas, as hipóteses de Jesus não ter morrido na cruz, de se ter casado e de ter tido filhos, não eram de todo novas, e já haviam sido avançadas muitas vezes antes da edição desta obra. Contudo, existiram uma série de conjunturas que transformaram este livro numa obra explosiva.


Primeiramente, no ano em que a primeira edição veio a lume (1982), atravessava a Europa uma altura relativamente calma, o que fez com que a polémica gerada pela edição do livro, alcançasse estatuto de notícia, nalguns casos, mesmo de primeira página.


Depois, não será menos importante o facto de que um dos autores ser um conhecido apresentador da BBC que, uma década antes, havia iniciado uma série de documentários relacionados com o mistério de Rennes-le-Château. No final do primeiro filme, o apresentador terminava com as seguintes palavras: «Algo de extraordinário está à espera de ser descoberto... e, num futuro não muito distante, sê-lo-á»...


Finalmente, a objectividade presente em toda a obra, apresentando hipóteses bastante bem fundamentadas, oferece uma grande credibilidade, o que faz com que se distancie largamente de outras obras que, versando sobre o mesmo tema, o fazem (ou fizeram) de forma leviana e irreflectida (passe a redundância).


O tema central deste livro é, então, a vida de Jesus e a sua presumível linhagem - a Linhagem Real, o Sangue Real, o Sangraal, o Santo Graal...


Jesus é apresentado como um homem com comportamentos bem humanos, um político, um Rabi descendente dos Sacerdotes do Templo de Salomão, um Padre-Rei, que ao longo de toda a sua vida sempre procurou ocupar o lugar, que era seu por direito, no Trono de Jerusalém. Presumivelmente, terá casado e tido filhos, como era esperado de qualquer homem do seu tempo e ainda mais de um Rabi.


Este conhecimento, que hoje parece quase trivial, foi durante bastante tempo uma séria ameaça ao poder de Roma e, como tal, a sua divulgação foi, a todo o custo, suprimida. Segundo os autores, ao longo do tempo, este conhecimento terá sido perpetuado, assim como a Linhagem Real.


Os Merovíngios, depois os Cátaros e os Templários, e por fim uma Ordem que terá surgido a par destes últimos, com quem “partilharam” os Grão-Mestres até ao “Corte do Ulmeiro” em 1188, e que ainda hoje perdura, denominada Prieuré de Sion, passando pelos Rosa-Cruzes e pela Maçonaria, foram os depositários deste conhecimento. Foi por esta razão (entre outras - mas talvez esta seja a principal) que todos estes movimentos, sem excepção, foram perseguidos pela Igreja de Roma.


Mas, muito para além do tema central, os autores discorrem pormenorizadamente sobre vários assuntos, como os Romances do Graal, os quadros de Poussin, a Dinastia Merovíngia, a História de França, o nosso já conhecido Bérenger Saunière, entre outros, ao longo das quinhentas e muitas páginas do livro que, ainda assim, não se torna numa obra maçuda. Pelo contrário, é de facto uma obra que não deixa ninguém indiferente, e que teve de (des)esperar 21 anos até ter a sua tradução para o português de Portugal. Contudo, não foi tempo perdido, pois esta obra está tão actual agora, como esteve no ano em que veio a lume. Como se costuma dizer nestas ocasiões, a não perder!...

4 comentários:

DeepBlue disse...

Hoje sei que o Priorado do Sião não existiu, tendo sido uma invenção de Pierre Plantard. Contudo, isto não invalida tudo o resto, e tenho para mim como certo que existem pessoas que, conscientes disso ou não, são verdadeiros protectores do Graal...

Francisco Canelas de Melo disse...

De facto o Priorato do Sião nunca existiu,e é curioso como este livro se desenrola basicamente em França. Nós Portugueses, sabemos que não é bem assim, enquanto em França os torturam e queimaram, acusando-os injustamente de heresia, em Portugal El-Rei Dom Dinis defende-os, proibindo até serem julgados em territorio Português! Criou uma Ordem baseada nos pilares Templarios, alterando apenas para Ordem dos Cavaleiros da Milícia de Cristo. A continuidade da Ordem do Templo esteve assegurada em Portugal até a extinção das ordens militares em meados do seculo XIX. Por isso, não podemos fugir a nossa história...Será que este livro é assim tão real?!

Anónimo disse...

onde baixar? alguém poderia deixar aqui um link.

Unknown disse...

網頁設計 網路行銷 關鍵字廣告 關鍵字行銷 餐飲設備 製冰機 洗碗機 咖啡機 冷凍冷藏冰箱 蒸烤箱 關島婚禮 巴里島機票 彈簧床 床墊 獨立筒床墊 乳膠床墊 床墊工廠 情趣用品 情趣用品 腳臭 長灘島 長灘島旅遊 ssd固態硬碟 外接式硬碟 記憶體 SD記憶卡 隨身碟 SD記憶卡 婚禮顧問 婚禮顧問 水晶 花蓮民宿 血糖機 血壓計 洗鼻器 熱敷墊 體脂計 化痰機 氧氣製造機 氣墊床 電動病床 ソリッドステートドライブ USB フラッシュドライブ SD シリーズ

Subscrever