sexta-feira, 25 de fevereiro de 2005

Fernando Pessoa e os Mundos Esotéricos


José Manuel Anes


Edições Ésquilo



A viagem pelos Mundos Esotéricos de Pessoa é fascinante e até perturbante, mas é, ao mesmo tempo, reveladora e iniciática.

José Manuel Anes disseca, uma vez mais, estes Mundos, que já antes haviam sido analisados, por Yvette Centeno e António Quadros p.e., mas que encontram agora novas nuances e novos enquadramentos, pela descoberta de documentação outrora desconhecida.

Baseado nas fases esotéricas do Poeta, definidas pelo supra citado António Quadros, o autor vai descrevendo o deambular iniciático de Pessoa, que ficou marcado pela sua passagem pela Teosofia, pelo neo-paganismo e finalmente pelo cristianismo gnóstico.

Grande parte do livro é dedicada ao interesse do Poeta pela Maçonaria, mas antes José Manuel Anes refere um episódio marcante na vida de Pessoa, que foi a sua correspondência e depois o seu encontro com Crowley e o facto, anteriormente desconhecido, de que Pessoa pertenceu a uma Ordem Crowleyana, atestado por documento incluso no livro.

Mas foi de facto a Maçonaria e outros movimentos tradicionais, como o templarismo e o Rosicrucismo, que receberam o maior foco de atenção pela parte de Pessoa, na fase final da sua vida. Os seus profundos conhecimentos do funcionamento e dos altos graus da Maçonaria, levaram Anes e levantar a hipótese de que o Poeta podia ser responsável por uma Loja Selvagem, na qual se reuniria, provavelmente sem quaisquer paramentos ou alfaias maçónicas, com alguns amigos, entre os quais Augusto Ferreira Gomes, naturalmente.

Outras hipóteses são propostas ao longo do estudo, como sendo a de que a Ordem Templária de Portugal seria de facto um grupo de pessoas, ao qual pertencia Pessoa obviamente, que se reunia na Quinta da Regaleira, grupo ao qual o Poeta atribuiu este epíteto solene.

Após a leitura deste livro fica claro, se é que antes não o era já, que toda a obra pessoana está impregnada destes seus interesses ditos esotéricos e que, ao contrário do que afirmam os mais cépticos e os intelectuais de mente inflamada e coração frio, não se tratam de devaneios ou fingimentos do Poeta...

De facto, por muito que isto custe a alguns aceitar, grandes vultos do passado (e do presente) - já o dissemos - tiveram uma visão holística da vida e dos fenómenos, embrenhando-se em mundos internos, oclusos, experimentando o hermetismo, as ciências ocultas, tendo conseguido, dessa forma, viver vidas fascinantes e deixando obras de grande importância para a Humanidade. Vale a pena referir outros nomes ou basta Fernando Pessoa...?

Subscrever