segunda-feira, 3 de setembro de 2007

Portugal e o Quinto Império por Cumprir

Rui Fonseca

Zian Editora

















Caros leitores, aqui marco o meu regresso ao Arte de Ler com um tema que me é muito especial.

O tema do livro em causa encontra eco em grande parte da classe poética portuguesa. No entanto, durante a segunda metade do século XX surgiu um adormecimento desta corrente de pensamento, designada por Sebastianismo. Não esquecendo a complexidade do tema, muitas vezes surge uma interpretação meramente artística de certos "tratados" sobre a temática sebástica. O autor Rui Fonseca, professor de Filosofia no ensino secundário, soube reunir todo um historial cronologicamente organizado, «partindo da raiz da temática (...) analisando alguns enquadramentos históricos que fazem recair sobre a grandiosidade de alguns povos a realização do Quinto Império».

Sem qualquer dúvida trata-se de uma obra interessante, oportuna e bem estruturada sobre esta temática. Contudo, o autor manifesta alguns subtemas algo alheios a temática como «a Declaração de Princípios da Cidadania Planetária». Rui Fonseca acaba por referir de igual forma a questão do antigo regime como: «o fascismo, espelho continuado deste atraso, caiu. E hoje, com o 25 de Abril, os tempos mudaram, as portas abriram-se e o futuro espera-nos». O Quinto Império, é intemporal, sem desenvolvimento politico/partidário, com o fundamento de um Estado Universal, regido por um Rei que terá reunidos em si o poder temporal e espiritual. Não faz sentido referir ao facto histórico da liberdade politica alcançada no 25 de Abril, sem referir acontecimentos políticos de grande importância para Portugal e sua Missão, tais como perda da independência Portuguesa, instauração do Regime Liberal, implantação da República e instalação do Estado Novo. Curiosamente é no período posterior ao 25 de Abril que se nota um maior afastamento literário e poético do mito do Quinto Império.

Penso que este livro é um bom contributo para esta causa, escrito por um livre-pensador, e eu como livre-pensador que sou, escrevo e digo: A Portugal está reservado um grande destino, deixar de ser Portugal e conduzir o Mundo Unido.

Apenas uma nota: curiosamente este livro foi editado no Brasil, pelo que não se entende a sua não edição em Portugal.

7 comentários:

mahayana disse...

E o que é Portugal neste momento? O que é ser português?
...
talvez... afinal... estejamos perto de deixar de ser Portugal...
agora...
temos que trabalhar bastante se tivermos de conduzir o Mundo Unido...

Anónimo disse...

O livro está editado em Portugal e conseguimos encontrar em qualquer fnac!

FCM disse...

O livro foi editado no brasil, a editora é brasileiro, contudo esta disponível no mercado português!

Anónimo disse...

Acho que os portugueses com menos de 35 anos não têm a mínima consciência histórica. Do lugar que ocupam no mundo. Sabem o que se passou depois do 25 de Abril apenas.

Mesmo como desenvolvimento pessoal isso é grave.

Por outro lado, eu pertencendo a essa geração vejo que mesmo enchovalhados de cultura americana, sendo vendidos ao dinheiro, temos bem o gene português, apesar de afastados da cultura portuguesa. (e aqui não estou a tentar defender nenhuma ideologia comunista, apenas que nos dão a comer fast-cultura, porque dá mais dinheiro. Basta ir aos nossos cinemas, ver os filmes que aqui passam, a música que se ouve...)

Isto para dizer que a queda do mito sebastianista ilustra tão bem a perda da ccultura portuguesa.

Os estrangeirados, descritos por Eça, por Pessoa, etc., têm agora a fantástica oportunidade de serem mesmo estrangeiros.

Criou-se assim um ambiente em que as pessoas não sabem o que devem ser. O problema está primeiro: na pergunta - a cultura deve ser algo pessoal.

Segundo: na resposta. Sendo esta constantemente estrangeira.

Não digo que se deva rejeitar o estrangeiro. Acho que se deve conhecer, dar atenção, partilhar dos problemas que atormetam uma determinada geração.
Agora, achar que existe uma espécie de cultura certa, aho que é o que está a remeter a nossa cultura para segundo plano.

A culpa é parcialmente da venda ao exterior, dos governos que nos vendem; parcialmente nossa que nos deixamos ir até já gostamos do esquema.

Apreciava alguma resposta,

Pedro Lencastre

Anónimo disse...

Acho que os portugueses com menos de 35 anos não têm a mínima consciência histórica. Do lugar que ocupam no mundo. Sabem o que se passou depois do 25 de Abril apenas.

Mesmo como desenvolvimento pessoal isso é grave.

Por outro lado, eu pertencendo a essa geração, vejo que mesmo enchovalhados de cultura americana, sendo vendidos ao dinheiro, temos bem o gene português, apesar de afastados da cultura portuguesa. (e aqui não estou a tentar defender nenhuma ideologia comunista, apenas que nos dão a comer fast-cultura, porque dá mais dinheiro. Basta ir aos nossos cinemas, ver os filmes que aqui passam, a música que se ouve...)

Isto para dizer que a queda do mito sebastianista ilustra muito bem a perda da ccultura portuguesa.

Os estrangeirados, descritos por Eça, por Pessoa, etc., têm agora a fantástica oportunidade de serem mesmo estrangeiros.

Criou-se assim um ambiente em que as pessoas não sabem o que devem ser.
E o problema está primeiro: na pergunta - a cultura deve ser algo pessoal.

Segundo: na resposta. Sendo esta constantemente estrangeira.

Não digo que se deva rejeitar o estrangeiro. Critico que seja um apelo às pessoas não pensarem.

Agora, achar que existe uma espécie de cultura certa, é o que está a remeter a nossa cultura para segundo plano.

A culpa é parcialmente da venda ao exterior, e dos governos que nos vendem; parcialmente nossa que nos deixamos ir e até já gostamos do esquema.

Desculpem a correcção do comentário que fiz anteriormente.

Apreciava alguma resposta,

Pedro Lencastre

Anónimo disse...

O V Império é exatamente o contrário disso: é o império da mentira, da degeneração, e do dinheiro. Portugal não tem o papel de liderar o mundo unido, pelo contrário é uma barreira simbólica (repare-se no simbolismo da bandeira nacional, para começar...) à concretização do ideal humano, o Reino de Deus. Esta é a única interpretação possível da profecia, para quem conhece o país atualmente. Profecia irónica e denunciadora das injustiças e males que continuam a querer infiltrar-se num mundo que se rege realmente, ou quer apenas parecer, pelos direitos e pela liberdade.

Unknown disse...

網頁設計 網路行銷 關鍵字廣告 關鍵字行銷 餐飲設備 製冰機 洗碗機 咖啡機 冷凍冷藏冰箱 蒸烤箱 關島婚禮 巴里島機票 彈簧床 床墊 獨立筒床墊 乳膠床墊 床墊工廠 情趣用品 情趣用品 腳臭 長灘島 長灘島旅遊 ssd固態硬碟 外接式硬碟 記憶體 SD記憶卡 隨身碟 SD記憶卡 婚禮顧問 婚禮顧問 水晶 花蓮民宿 血糖機 血壓計 洗鼻器 熱敷墊 體脂計 化痰機 氧氣製造機 氣墊床 電動病床 ソリッドステートドライブ USB フラッシュドライブ SD シリーズ

Subscrever