terça-feira, 4 de setembro de 2007

Um Deus Passeando pela Brisa da Tarde

Mário de Carvalho

Caminho


Claro está que Mário de Carvalho iria desmentir a ideia de que este livro será uma cripto-crítica à classe política actual (ou a de qualquer tempo).


O que nos fica deste livro é a imagem de um romano com consciência, mas uma consciência de tal forma desenvolvida que lhe arranjou grandes e graves problemas, levando mesmo ao afastamento do seu cargo de duúnviro, de autoridade máxima da pequena povoação romana de Tarcisis – situada, adivinhamos nós, perto do que é hoje o Alandroal, pela proximidade do santuário de Endovélico, a que o autor faz referência.


Não podemos deixar de pensar nos políticos de hoje que, por maiores e mais elevados ideais que tenham, têm de abdicar destes e deixar-se levar pela engrenagem de um sistema pútrido ou, pura e simplesmente, se afastam ou são afastados. E foi isto que acabou por acontecer a Lúcio Valério. Acabou por ser convidado a abdicar do seu cargo, pois estava realmente muito longe dos modelos romanos, nos quais não se revia. Não apreciava os jogos, os deuses nada lhe diziam, procurava justiça nos seus julgamentos em vez de fazer aquilo que sabia que iria agradar ao povo, entre outros “defeitos de carácter” que os seus pares não lhe souberam perdoar.


É o resumo dos acontecimentos que levaram Lúcio ao cargo de duúnviro, até ao seu afastamento, que Mário de Carvalho nos conta com a mestria de um escritor de primeiríssima água. Pelo meio, ficamos a conhecer uma seita que se identifica pelo símbolo do peixe, cujos ritos são por todos temidos e odiados, e cuja existência, naturalmente, muitos problemas levantou ao duúnviro. A invasão dos mouros é ainda outro problema a que Lúcio Valério tem de fazer face, juntando-se a oposição levada a cabo pelo padeiro, filho de um liberto, com a ambição de chegar a edil da cidade; qualquer decisão que Lúcio tomasse iria encontrar um obstáculo. E é esta angústia, este querer fazer sempre o que a sua consciência lhe dita, esta pressão constante que também nós sentimos no desenrolar da história de Lúcio Valério que, para complicar ainda mais, se apaixona por Iunia Cantaber, uma das percursoras do culto cristão, cujo fanatismo é extremo.


Cabe acrescentar ainda que, não sendo um romance histórico – como o autor nos diz: Tarcisis nunca existiu –, as descrições dos espaços, das roupas, das regras e preceitos romanos são de extrema exactidão, o que, aliado a uma escrita no limiar do sublime, nos transporta para atmosferas e ambiências absolutamente extraordinárias.

Subscrever